#comunicação

Fake News são a ponta do iceberg no intrincado ecossistema de desinformação. Campanhas baseadas em conteúdos fabricados para enganar têm estrutura profissional especializada e são financiadas, inclusive, pelas empresas que sustentam as plataformas de mídia social. A invasão da Praça dos Três Poderes, em Brasília, é a materialização desse jogo, onde a extrema-direita mantém o discurso contra a democracia em nome da livre manifestação.

Notícia não é mais encarada como o elo entre conhecimento social e opinião pública. Virou mais um discurso vazio na pulverizada rede digital de crenças ideológicas. Faltam sinalizações na encruzilhada, aquele momento em que os argumentos nos dão um sentido de direção, nos impulsionam em um determinado caminho. Falta o jornalismo no debate público, o que nos aproxima das diferenças sem julgamentos morais.

Lula e Alckmin na mesma chapa à presidência da República sinalizam uma articulação política ampla contra a autocracia indigesta do governo Bolsonaro. Tanto quanto a ideia de que o sistema está se organizando para inviabilizar o “mito”, numa cruzada de poderosos contra um “justiceiro solitário”. O momento pede discernimento quanto à forma de lidar com o adversário a ser derrotado.

O presidente da República sempre foi tratado pela imprensa como “polêmico”. E não é nada disso. As coisas que ele diz, como se liberdade de expressão e de pensamento fossem a mesma coisa, merecem repúdio. Porque são autoritárias, agressivas, depreciativas para o cargo público de onde fala. É preciso dar a Bolsonaro o espaço que ele merece